Notícias

Rubens Bueno destaca importância dos 114 anos da imigração japonesa para a Brasil

O próximo dia 18 de junho marca os 114 anos da imigração japonesa para o Brasil, quando o navio Kasato Maru chegou ao porto de Santos, trazendo os primeiros nipônicos para o país. Em sessão solene da Câmara dos Deputados, nesta terça-feira, o deputado federal Rubens Bueno (Cidadania-PR) destacou o laço histórico de amizade e cooperação entre os dois países e a colaboração dos imigrantes para o desenvolvimento do Brasil e do Paraná, que tem a segunda maior colônia de japoneses do país, com quase 200 mil descendentes.

“Os japoneses foram fundamentais para o desenvolvimento do Brasil, seja no cultivo de café e algodão, seja na diversificação agrícola, em que introduziram diferentes técnicas ou na disseminação da cultura e práticas trazidas do oriente”, disse o deputado em seu discurso.

Rubens Bueno também lembrou que neste ano também completam 127 anos da assinatura do tratado de amizade e relações diplomáticas entre os dois países e, neste mês comemoramos, em 18 de junho, os 114 anos da imigração japonesa. Nesta data, o navio.

“Eles brindaram nosso país com sua cultura milenar e seus valores de ética e solidariedade. Hoje, fazem parte da população brasileira mais de dois milhões de nipo-brasileiros, que se orgulham de suas raízes e fazem questão de manter, em centenas de organizações, suas principais manifestações culturais”, reforçou o deputado.

As trocas tecnológicas entre os dois países já renderam projetos para o desenvolvimento das agricultura brasileira, da mineração e do setor siderúrgico, dentre outros. Adotamos no país o modelo de TV digital deles e, no Japão, voam as aeronaves da Embraer, enquanto o capital japonês impulsiona em muitas frentes o desenvolvimento brasileiro, estreitando ainda mais as relações de cooperação.

Participaram da sessão solene, presidida pelo deputado Luiz Nishimori, o embaixador do Japão no Brasil, Teiji Hayashi; a secretária da Ásia Pacífico e Rússia do Itamaraty, Márcia Donner Abreu; o representante chefe da Agência de Cooperação Internacional do Japão, Masayuki Eguchi; o presidente das Associações Nipo-Brasileiras, Renato Ishikawa; o presidente da Aliança Cultural Brasil e Japão no Paraná, Eduardo Suzuki; o primeiro presidente da Rede Nikkei do Brasil, Seiti Iwano, entre outras autoridades, parlamentares e convidados.

Paraná

Os primeiros japoneses que pisaram em terras paranaenses foram o ministro plenipotenciário do Japão, Sadatsuchi Uchida, e o secretário e intérprete da delegação Japonesa, Arajiro Miura, que chegaram em dezembro de 1907. Eles foram ao Paraná para conhecer as terras do Estado.

Em 1913, em Cambará, na Fazenda dos Barbosa Ferraz, que cultivava 900 mil pés de café, colonos japoneses já trabalhavam. Em 1917, surgia um agrupamento de sitiantes batizado como Vila Japonesa e, em 1923, na zona urbana, havia armazém e empório de japoneses.

Em 12 de dezembro de 1914, nascia o primeiro nissei paranaense: Massao Nishikawa. A integração dos povos ocorreu a partir do casamento de Shingo Matsuda com Magdalena Marchiori e do nascimento, em 1920, de Shingo Matsuda, o primeiro nipo-brasileiro a nascer em solo paranaense.

A primeira comunidade japonesa no Paraná foi a Colônia Cacatu, que fica na região litorânea, que surgiu em 1917. De lá para cá, se espalharam por diversas cidades do estado. Com o cultivo do café, participaram da fundação de cidades como Campo Mourão, Londrina, Assaí, Rolândia, Arapongas, Uraí, Maringá, entre outras.

“No Paraná, assim como em todo o Brasil, a amizade e cooperação entre brasileiros e japoneses só faz crescer. E nessa sessão solene, prestamos aqui uma homenagem aos japoneses pioneiros que chegaram ao Brasil e as atuais gerações que estão levando à frente esse sonho de um mundo cada vez mais justo para todos os povos”, finalizou Rubens Bueno.

Print Friendly, PDF & Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo