Notícias

Eclipse solar poderá ser visto parcialmente no Brasil na próxima segunda-feira

Na tarde da próxima segunda-feira, 14, um eclipse solar total poderá ser observado no Chile, na Argentina e no sul dos oceanos Pacífico e Atlântico. As cidades chilenas de Temuco e Villarrica estão entre os melhores locais para o fenômeno ser observado. Em outros países da América do Sul, como no Brasil, no Peru e na Bolívia, será visto de forma parcial.

O fenômeno que faz o dia se transformar em noite por alguns minutos ocorre quando a Lua se interpõe entre o Sol e a Terra. “Como a Terra gira ao redor do Sol num plano, supondo que o Sol esteja no centro da face superior de uma mesa, a Terra se move em torno do Sol no nível desta superfície. Ao mesmo tempo, a Lua gira em torno da Terra, mas o plano de órbita lunar é inclinado um pouco mais de 5º em relação à face da mesa e geralmente a Lua passa acima ou abaixo do Sol. Mas quando a Lua cruza o plano da órbita da Terra, entre o Sol e o nosso planeta, e todos ficam alinhados, ocorre um eclipse solar”, explica Paulo Sergio Bretones, professor do Departamento de Metodologia de Ensino da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar).

Em São Paulo, o eclipse começará às 12h45 (horário de Brasília), quando a Lua Nova começará a “tocar” o disco do Sol. “A Lua irá cada vez mais ocultar o disco do Sol até que, às 14h04, o Sol terá 43% de seu diâmetro coberto pelo nosso satélite. Nesse momento, quando 31% da área do Sol for obscurecida pelo disco lunar, estará a 62 graus de altura sobre o horizonte. Então, a Lua começará a sair da frente do Sol até que às 15h16min sairá por completo”, explica Bretones.

Em Porto Alegre, o fenômeno poderá ser visto parcialmente a partir das 12h23 (horário de Brasília). A previsão é de que 60% do disco do Sol esteja encoberto pela Lua às 13h50. O eclipse solar parcial deve durar até as 15h12.

Em Cuiabá, o eclipse parcial começará às 11h33 (horário de Brasília), com previsão de término às 13h29. A visão máxima está prevista para as 12h32.

Cuidados recomendados

Mesmo com a possibilidade de acompanhar transmissões por sites e redes sociais, o professor do Departamento de Metodologia de Ensino da UFSCar aconselha que as famílias aproveitem este momento olhando para o céu. “É possível prestigiar o fenômeno mesmo com a pandemia da covid-19, tomando todos os cuidados com uso de máscara facial e mantendo o distanciamento social, e também tomando as medidas de segurança para evitar olhar diretamente para o Sol sem proteção adequada”, orienta ele.

Durante o eclipse, é muito perigoso observar o Sol diretamente, pois ele pode produzir queimaduras na retina, causando cegueira. “É extremamente perigoso olhar para o Sol com qualquer instrumento óptico como binóculos, lunetas, telescópio sem filtros especiais ou mesmo uma máquina fotográfica. Veja o que acontece quando se queima uma folha utilizando-se uma lente para focar a luz do Sol. Não se deve usar óculos escuros, vidros esfumaçados, radiografias ou negativos de filmes revelados, pois podem não bloquear as radiações não visíveis como o infravermelho e o ultravioleta. Contudo, existem óculos para observação solar com filtro de mylar. Deve-se tomar o cuidado de observar o fenômeno com um filtro apropriado e o mais indicado seria o usado em máscara de soldador número 14, disponível em lojas de ferragens, pois eles bloqueiam os raios solares que prejudicam à saúde”, aconselha Bretones.

Segundo o especialista, melhor ainda seria projetar a imagem do Sol numa tela. “Se for utilizado um instrumento, como uma pequena luneta ou binóculo, deve-se alinhá-lo com o Sol, sem observá-lo e colocar um anteparo com a imagem do Sol no foco. Pode-se cobrir um pequeno espelho com um papel com um orifício e projetar a imagem do Sol numa parede”, disse.

Do Estadão Conteúdo

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo